Médicos sem Fronteiras!

Médicos sem Fronteiras!
Médicos sem Fronteiras! Doe 30 reais por mês...

Canal do Gaaia no youtube!

Loading...

segunda-feira, 7 de março de 2011

Saída noturna na mata mudou muito!



Saída noturna na mata.


Esta saída noturna nos fez pensar mais na extinção das espécies, na diminuição ano a ano de espécies um tanto comum aqui na região; me recordo que anos atrás, cerca de uns 20 anos, passávamos o dia explorando novas paisagens, observando a fauna,comendo frutas nativas;também me recordo que não tínhamos lanternas daí para a diversão ficar completa fazíamos tochas, com um pedaço de bambu,um pano e um pouco de óleo.


que saudade dos 16 anos!





Andávamos na mata escura,nos deparávamos com dezenas de espécies de aves noturnas como:corujas,morcegos,dorme-dorme,urutau; e mamíferos como: graxaim,tatu,gambá,ouriço,zorrilho.Todas estas espécies eram muito comum, por isso nos depararmos dentro da mata aqui em Candelária, sabemos também que a mata atlântica é ainda a mais rica em números de espécies; mas em certos locais ela esta devastada e sem nenhuma espécie da grande fauna..




Mais e notório o desaparecimento de espécies que em anos atrás víamos em nossos quintais, como o jacu, araquã, jacaré, o tesourão (gavião-tesoura).Este gavião que no verão ficava sobrevoando e espreitando o ninho das andorinhas; recordo-me que deitávamos na grama e ficávamos observando os tesourões lá no alto.


O que nos chamou atenção, foi que agora o que predomina como som noturno é o som dos insetos, os insetos ainda resistem mais tempo a ocupação humana exceto pelos pesticidas das lavouras que exterminam qualquer tipo de inseto até as abelhas africanas e as nativas que contribuem em muito para a agricultura.


Neste vídeo mostra que os sons que ouvíamos antigamente, não mais se escuta também por falta de quantidade de mata densa, o que sobrou não mais serve de refugio para a fauna de grande porte,dando lugar aos insetos.




Insetos esses que poder nem ter sido catalogados ainda, quando menos se espera podemos encontrar uma espécie nova.


MARCELO COIMBRA DA SILVA/GAAIA