Médicos sem Fronteiras!

Médicos sem Fronteiras!
Médicos sem Fronteiras! Doe 30 reais por mês...

Canal do Gaaia no youtube!

Loading...

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Saia Justa Deputados Ruralistas?


Saia Justa Deputados Ruralistas?





No seminário sobre o novo código floresta no ultimo dia 23, onde a maior entidade cientifica do País a (SBPC),veja bem não é ONG;como diria certos deputados! 







A Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência e a Academia  Brasileira de  Ciências mostraram  a necessidade de colocarmos um fim na impunidade não dando anistia a quem desmatou,a velha política do jeitinho,aquela que quando você diz não,e a pessoa continua insistindo e diz: “Báh,mas tu podia me quebrar este galho para mim,né.”
Este relatório deixou muitos deputados de saia justa, porque eles defendem uma agricultura sem qualquer preocupação com o meio ambiente, mas falam que não afetará  o meio ambiente esta mudança proposta por Aldo o desmata dor; agora com a presença dos cientista não contestaram, tiveram que assistir  a comprovação  cientifica que acontece e irá acontecer se aprovado o novo código desmata dor.
Não terá impacto para a agricultura se aprovado o código sem as mudanças propostas por Aldo o Desmata dor, foi comprovado por cientistas do SBPC que podemos produzir nas áreas já existente com muito êxito.Toda  esta gana para aprovar a mudança existem dois interesses principais:
* 1° é o voto prometido para certos Deputados da Bancada do Desmatamento (Bancada Ruralista) onde  grandes e médios produtores,não precisariam pagar multas por desmatamentos feitos em anos anteriores; em troca até financiaram por baixo dos panos suas campanhas.
*2° é quem  eles irão assustar para ganhar votos novamente,chega o período de votação,  eles se pintam de “únicos defensores de agricultura”  e são votados não porque fazem alguma coisa mas porque assustam os agricultores.
Cadê eles agora? –veja o preço do arroz, da soja, do fumo e  do milho; eles dizem estar tentando melhorar o preço,mas o que  fazem! Ficam discursando, discursando e a Agricultura sempre com sua velha mesmice de sempre, não criando formas para diversificar a propriedade,financiamento a juros menores para reestruturar a propriedade de forma que tenha produção o ano inteiro,com o acompanhamento sem custo de técnicos agrícolas,agrônomos e engenheiros,que pode ser por intermédio de Prefeitura,mas um sistema que funcione e veja o que cada propriedade pode produzir com os recursos já disponível,pensando no que pode ser mudado ou acrescentado para uma boa produção.
Com  certeza  o acompanhamento sem custo na propriedade! Aumentaria em muito a produção da agricultura familiar, fazendo aumentar a renda dos Municípios, gerando mais empregos no campo e periferia das Cidades.       Marcelo/GAAIA.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Mata Atlântica em nossa vida/Grupo GAAIA Candelária-RS


Mata Atlântica em nossa vida



A Mata Atlântica é muito antiga. Sua história iniciou quando os continentes africano e sul-americano começaram a se separar, há 150 milhões de anos aproximadamente. É uma das florestas úmidas do mundo que se situam entre os trópicos e regiões com índices de chuva acima de 1.800mm por ano. Mais da metade delas está situada no Brasil – entre a Amazônia e o pouco que restou do Pampa Gaúcho.


Aqui em Candelária é fácil identificar os limites de cada bioma. Pode-se dizer que o Botucaraí é uma das últimas florestas que representam os limites do bioma Mata Atlântica no limite Sul. No encontro com o mar, a Mata Atlântica repete a história da vida, das algas. Sendo a primeira vegetação costeira acompanhando a umidade, a mata se estende por tabuleiros, costões, dunas e baixadas; se esparrama aos manguezais, juncos, caetés e matas de baixadas de encostas até o topo das serras, onde se vê desmatamento crescente.


No Brasil o que resta da Mata ocupa 1% do território. Nessa extensão está concentrado o maior índice de diversidade vegetal do Planeta, pois as florestas têm longa história biológica. Uma de suas maiores características, sem dúvida, é a relação com a água - cachoeiras, nascentes, lençóis freáticos. Não se encontra essa abundância de água onde não há mata. Entre as regiões mais biodiversas do mundo, chamam-se “hot spot” aquelas que perderam mais de 70% de sua vegetação original. Vale lembrar que hoje, a cada dia, 19 milhões de árvores caem no mundo e que três das áreas mais devastadas estão no Brasil (Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica).




É preciso repensar nos benefícios da floresta e no retorno que ela nos deu (e ainda dará). Como se vê, toda a ocupação ao longo da nossa costa - o café e a cana no centro do País, o fumo no Sul - é parte da nossa história. Não é possível explicar, pensar ou mesmo redimensionar a história do Brasil sem passar pela Mata Atlântica como ponto de partida. Infelizmente não é isso que se divulga nos comerciais de TV em que o apresentador promete “nós temos a solução”. Só que nós não temos a solução. Não há meios de reaver cinco milhões de Maracanãs devastados por dia no Mundo.

O que se pode é preservar o que sobrou, pois é possível ser mais ativo nessa causa. Desde que saiu a pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o quanto a Mata Atlântica foi desmatada se viu uma real preocupação das comunidades. Indignar-se já é um grande passo. Depois cobre de seus vereadores, prefeitos e deputados mesmo que eles queiram justificar com números dizendo se tornar caro certas soluções. Pare e pense: estamos assistindo nos noticiários que as consequências do desmatamento estão saindo muito mais caro do que sairiam certas soluções.




Marcelo Coimbra da Silva - coordenador do Grupo de Apoio, Ações e Ideias Ambientais (GAAIA) de Candelária/RS